domingo, 12 de fevereiro de 2012

A base faz o Timbu reencontrar o caminho da vitória


Mal a bola começou a rolar e o Náutico foi para cima do time sertanejo. A pressão inicial, no entanto, não rendeu chances claras para abrir o placar. Da mesma forma, o Serra começou a sair para o jogo, mas sem finalizar com perigo. Os dois times ficaram muito dependentes das bolas paradas para chegar na área adversária.
Passados os primeiros 15 minutos, o panorama começou a mudar. Os donos da casa começaram a se sentir mais à vontade e passaram a arriscar um pouco mais, sempre sob o comando do meia Kássio. Mas aí o Serra esbarrava no ponto mais forte do Náutico: a marcação forte do seu meio de campo.
Souza e Elicarlos estavam muito bem no desarme e na ligação com o ataque. O problema do Timbu era a baixa qualidade do meio para frente. Dorielton, especialmente, atrapalhava mais do que ajudava. Além da ausência dos contundidos Rogério Cascata, os alvirrubros sofriam ainda com o desfalque de Eduardo Ramos.
O reflexo da extrema limitação ofensiva timbu era a perda constante da posse de bola e o contra-ataque do Serra. A partir dos 35 minutos, os donos da casa passaram a conseguir chegar com perigo real ao gol de Rodrigo Carvalho. Tanto que, por duas vezes, o atacante Júnior Mineiro teve ótimas oportunidades. Numa delas, chegou a ficar cara a cara com o goleiro timbu, mas chutou em cima de Rodrigo.
Na volta para o segundo tempo, o Náutico trouxe uma novidade. Dorielton saiu para a entrada do prata da casa Marcos Vinícius. Mas os primeiros minutos de bola rolando não apresentaram grande mudança no panorama visto na primeira etapa da partida. Até a expectativa de que, com a diminuição do calor do Sertão, os times se soltassem mais e dessem um ritmo mais forte ao jogo não se concretizou.
O início do segundo tempo, ao contrário, foi sonolento. Além da temperatura, o jogo ficou ainda mais frio. Só depois dos 15 minutos é que os dois times acordaram. Foi quando saíram alguns lances de perigo. E desta vez, foi o Timbu que ameaçou o gol de Bruno. O goleiro trabalhou em chutes de Siloé e Souza.
O Serra também mostrou que tinha acordado para a partida e chegou com muito perigo aos 31 minutos, quando Kássio fez uma boa jogada e só parou na falta cometida por Diego Bispo. Os sertanejos queriam que o árbitro Gleydson Leite marcasse pênalti. Mas o juiz optou por marcar falta quase em cima da linha da área. Como já tinha amarelo, Bispo terminou sendo expulso.
Mas nem deu para o Náutico sentir a falta do homem a menos em campo. A entrada de Phillip (no lugar de Jefferson Berger) já havia dado mais velocidade e melhorado a qualidade do passe ofensivo. E foi dos pés de Phillip que saiu a jogada para o gol que abriu o placar no Pereirão. A bola foi passada para Siloé, que enfiou para Marcos Vinícius, na entrada da área, bater no canto e marcar 1×0 para o Náutico.
Depois do gol, o Timbu ainda perdeu Elicarlos, que se machucou e não pôde mais ser substituído. A expulsão de Jaildo ajudou a minimizar a desvantagem numérica alvirrubra e deu para segurar a vitória no Sertão.

Blog de Primeira

Nenhum comentário:

Postar um comentário